.

.

Seleccione Linguagem

Intuição e inspiração



O I Ching é essencialmente um revelador de intuição. Por exigir de nós algumas disposições interiores de acolhida, de escuta atenta, ele também pode desenvolver em nós aptidões para a inspiração e a intuição. A distinção estabelecida aqui entre esses dois negligenciados modos de nos relacionarmos com o mundo deve ser examinada; pode ocorrer que eles tenham a mesma origem e que a diferença esteja apenas na forma de receber ou, por outro lado, que a intuição seja fenômeno específico do conjunto dos seres vivos, enquanto a inspiração seria uma das formas assumidas por ela no que tange à mente humana. É possível definir uma ação determinada pela intuição pelo fato de escapar totalmente a nossa atenção imediata; seus resultados práticos não serão visíveis se, por exemplo, ela nos permitir escapar a um perigo cuja existência não foi comprovada. A consciência reflexiva ou racional encontrará outras razões para nossos modos de agir e apenas elas subsistirão na parte de nossa memória que essa consciência utiliza. Em contrapartida, uma ação inspirada tem um meio de expressão, sendo essa razão pela qual a inspiração costuma ser atribuída aos artistas. Ela parece vir "de fora", é recebida com um dom, ao passado que a intuição age a partir do interior, predispondo nosso comportamento geral a responder da melhor forma às circunstâncias sem que precisemos "saber o que fazemos".

A intuição age quando de uma consulta ao I Ching. Se se preferir, é ela que determina o "acaso" dessa consulta, graças à qual se obterá, de modo amiúde surpreendente para a consciência habitual, um hexagrama notavelmente consoante com a questão formulada. A inspiração, por sua vez, aparece da forma clássica descrita por Leonardo da Vinci, que recomenda aos pintores que contemplem um conjunto de formas vagas como as manchas de umidade numa parede; eles verão surgir composições inesperadas, batalhas, arquiteturas... À primeira vista, os comentários do I Ching são bastantes obscuros para nós e o que compreendemos da estrutura do hexagrama é tão instável que não chegamos a apreendê-lo; textos e linhas desempenham então o mesmo papel revelador da mancha de Leonardo.


Nosso olhar escolhe apenas alguns aspectos criando uma visão completamente diferente da que geraria uma análise detalhada. Quando estamos na situação de consultar um oráculo, essas imagens tendem a ser mais que efeitos automáticos de nossa fantasia. Elas nos inspiram ao objetivarem os caminhos relativamente secretos da intuição; aquilo que nos revelam se aproxima de realidades que não podemos dizer ter percebido em outros níveis de nosso ser. Estávamos presentes nessas realidades , ou elas estavam presentes em nós, ou ainda um certo acordo adequado às circunstâncias do momento continha potencialmente nossa reação a alguns acontecimento, e as forma que percebemos exprimem esse estado de coisas. Os movimentos inconscientes de um radiestesista - de fato inconscientes - são transmitidos a seu pêndulo, e isso permite que ele veja claramente a forma pela qual vive sua relação com o objeto de sua pesquisa. Encontram-se exemplos de leitura das formas em numerosos procedimentos de adivinhação: borra de café, chumbo fundido, bola de cristal. O inconveniente dessa práticas é o fato de darem livre curso a hábitos imaginativos próprios do observador. Elas podem ser usadas se foi estabelecido um código de convenções pessoais ou tradicionais, mas será sempre difícil determinar o que não passa de manifestação de um automatismo e o que "reflete" de fato a situação. Os códigos precisos carecem de flexibilidade e de variedade; suas categorias demasiado fixas ativam uma memória estereotipada, muito diferente da memória viva que é uma ressurreição do acontecimento em todos os níveis de sensibilidade.


I Ching - Princípios, prática e interpretação

Jean-Philippe Schumberger
Editora Pensamento




Nenhum comentário:

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog